TESTE DO PEZINHO Teste do Pezinho CTN


ATENÇÃO: Lista de Medicamentos que devem ser evitados em pacientes com Deficiência de G-6-PD 

Lista dos medicamentos que podem ser utilizados cuidadosamente em dose normal em pacientes com Deficiência de G-6-PD 

Determinação: Atividade da glicose-6-fosfato-desidrogenase

NOME: Deficiência da glicose-6-fosfato desidrogenase (G-6-PD) 

CONCEITO: É um erro inato do metabolismo que interfere nos processos de manutenção da estabilidade dos eritrócitos. A deficiência desta enzima favorece a ruptura da membrana dos glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos), levando à anemia hemolítica. 

IDADE DE APARECIMENTO DOS SINTOMAS: Os pacientes com deficiência de G-6-PD podem apresentar sintomas a partir dos primeiros dias de vida ou mais tardiamente, desde que sejam expostos a alguns tipos de alimentos ou medicamentos. Muitos pacientes podem permanecer assintomáticos por muitos anos. 

SINTOMAS CLÍNICOS: Estes pacientes podem apresentar icterícia neonatal ou anemia hemolítica devido à incapacidade de regenerarem o NADPH, um cofator importante nos processos biológicos oxidativos. A anemia pode vir a se manifestar mais agudamente quando da ingestão do feijão de fava (daí a doença ser conhecida também como "favismo"), da ocorrência de infecções ou do uso de medicamentos como antimaláricos, antibióticos, analgésicos, antipiréticos, sulfonas e sulfonamidas. 

COMPLICAÇÕES: Em alguns pacientes, a íctericia neonatal é severa o suficiente para levar a seqüelas neurológicas ou a risco de óbito. Alguns pacientes podem apresentar insuficiência renal aguda ou anemia hemolítica crônica. 

ETIOLOGIA: Este é um distúrbio genético de herança ligada ao cromossomo X, bastante heterogêneo, existindo mais de 400 mutações já descritas. Manifestações clínicas em mulheres não são incomuns. 

PATOGÊNESE: A G-6-PD catalisa o primeiro passo no ciclo das hexoses, e produz NADPH, que é essencial em várias rotas metabólicas, assim como na hemácia, para a estabilidade da catalase e preservação e regeneração da forma reduzida do glutatião. Como a catalase e o glutatião são essenciais para a detoxificação do peróxido de hidrogênio, a defesa da célula contra este agente depende quase que totalmente da G-6-PD. Este processo é especialmente importante nos eritrócitos, células muito sensíveis ao dano oxidativo. 

DIAGNÓSTICO: A doença pode ser identificada pela medida da atividade da enzima G-6-PD, por diferentes métodos bioquímicos. 


FREQUÊNCIA CTN: 1/ 74 (1,36%) 


PREVENÇÃO: O diagnóstico precoce (através de triagem neonatal) e o tratamento adequado podem evitar o aparecimento de seqüelas ou o risco de óbito. Da mesma forma, após realizado o diagnóstico pode-se evitar o uso das drogas previamente conhecidas como hemolíticas. 


DETECÇÃO DE PORTADORES: A detecção de portadores não é fácil, pois nas mulheres heterozigotas (que apresentam um gene normal e um gene alterado) encontramos grande variabilidade na atividade enzimática. 


DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL: Pode ser realizado pela avaliação da atividade de G-6-PD no sangue fetal colhido por cordocentese, ou por processos de análise do DNA, ainda pouco acessíveis. 


TRATAMENTO: O tratamento para a icterícia neonatal e para a anemia hemolítica permitem o controle das crises agudas. As medidas recomendadas buscam assegurar quantidade suficiente de oxigênio para os tecidos e para os glóbulos vermelhos. Crianças com icterícia neonatal prolongada devem ser submetidas à fototerapia. Em episódios de anemia, os pacientes podem necessitar de tratamento com oxigênio ou, em casos mais severos, transfusão sangüínea. 


PROGNÓSTICO: Quando seguidas as medidas recomendadas, o tratamento é eficiente, previne as manifestações clínicas da doença e proporciona um bom prognóstico. 


OBSERVAÇÕES: A deficiência de G-6-PD confere uma resistência variável contra o agente causador da malária (Plasmodium falciparum), especialmente nas mulheres heterozigotas. 

LISTA DOS MEDICAMENTOS QUE DEVEM SER EVITADOS EM PACIENTES COM DEFICIÊNCIA DE G-6-PD 

ANALGÉSICOS/ ANTIPIRÉTICOS
Acetanilida Ácido para-aminosalicílico Metamizol
Acetaminofeno Actazolin Paracetamol
Acetofenatidina Antipirina Piramidona
Ácido Acetilsalicílico Fenacetina Probenecida
ANTIMALÁRICOS
Cloroquina Pentaquina Quinacrina
Hidroxicloroquina Pirimetamina Quinina
Pamaquina Primaquina Quinocida
DROGAS CARDIOVASCULARES
Procainamida Quinidina  
SULFONAS/SULFONAMIDAS
Dapsona Sulfadiazina Sulfapiridina
Diamino-difenilsulfona Sulfametoxazol Sulfasalazina
Salicilazosulfanilamida Sulfametoxipiridazina Sulfazoguanidina
Sulfacetamida Sulfametoxipirimidina Sulfisoxazole
Sulfacetin Sulfanilamida 2-amino-5-sulfanilteiazol
CITOTÓXICOS E BACTERICIDAS
Acetilfenilhidrazina Estreptomicina Nitrofurantoína
Ácido Nalidíxico Furaltadona Nitrofurazona
Ácido para-aminobenzóico Furazolidona Niridazole
Cinoxacino Furmetonol Norfloxacino
Ciprofloxacino Isoniazida Ofloxacino
Cloranfenicol Neoarsfenamina Trimetoprima
Co-trimoxazol Nifuroxasida  
ANTI-HISTAMÍNICOS
Astemizol Clorfeniramina Hidroxizina
Azatadina Dexclorfeniramina Loratadina
Bronfeniramina Difenidramina Mequitazina
Cetirizina Dimetidina Oxatomida
Ciproeptadina Elastina Terfenadina
MISCELÂNEA
Azul de Metileno Enalapril (maleato) Naftaleno
Ácido Úrico Fenilbutazona Niridazol
Alfa- metildona Fenil-hidrazina Piridium
Aminopirina Fenitoína Prometazina
Azul de Toluidina Fitomenadiona Provenesida
Benzol Hidralazina Tribenzamina
Captopril Hidrocloreto de Tolueno Trinitrotolueno
Cloroguanidina Levo-Dopa Vitamina K (hidrossolúvel)
Desferioxamina Menaftona  
Dimercaprol Mestranol  



REFERÊNCIAS:

1. Kaplan, A.; Jack, R.; Opheim, K.; Toivola, B.; Lyon, A. Clinical Chemistry: Interpretation an Techniques. Williams & Wikins, Malvern, 4th ed., 1995.

2. Luzzatto, L.; Mehta, A. Glucose-6-phosphate dehydrogenase deficiency. In: Scriver, C.R.; Beaudet, A.L.; Sly, W.S.; Vale, D. eds. The Metabolic and Molecular Bases of Inherited Disease, McGraw Hill, New York, 7th ed., 1995.

3. NETO, E. C. ; WEBER, L. ; BRITES, A. Deficiência de Glicose-6- Fosfato-Desidrogenase: Qual a Incidência no Brasil? Laes Haes, ano XX, n.120, p.126-136. 1999.

Voltar